Água: Volume morto do Cantareira pode causar doenças Sua Obra
Notícias

Aqui você encontra
novidades que acontecem
no Brasil e no mundo.

Imprimir

Água: Volume morto do Cantareira pode causar doenças

Alckmin reconheceu pela primeira vez a possibilidade racionamento; poluentes do volume morto podem causar Parkinson, Alzheimer e alterações no fígado

Matéria publicada em:  Veja  - 14/04/2015 

A captação de água do volume morto do Sistema Cantareira, que baixou para 12,4% da capacidade nesta quinta-feira, ameaça trazer à tona poluentes depositados no fundo das represas, onde se concentram contaminantes que não são tratados por sistemas convencionais para o abastecimento. Três especialistas em biologia e toxicidade d'água fizeram o alerta ao Ministério Público Estadual (MP), que abriu inquérito civil para investigar a crise hídrica do sistema.
"Quando se cogita fazer o uso do volume morto por causa das condições emergenciais de necessidades hídricas, antes que esteja disponível para o abastecimento público, deve passar por análise criteriosa e tratamento adequado para atendimento dos padrões normatizados de qualidade de água", afirmam, em parecer, Dejanira de Franceschi de Angelis e Maria Aparecida Marin Morales, da Unesp, e Silvia Regina Gobbo, da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep).
O documento embasou o pedido feito pelos promotores do Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente (Gaema) para que a Agência Nacional de Águas (ANA), o Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) e a Companhia do Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) informem quais os critérios de uso do volume morto. Além disso, o MP exige saber quais garantias foram pedidas para que não haja movimentação do lodo das represas durante a captação e quais exames de qualidade da água serão feitos.
Segundo as pesquisadoras, "quanto mais baixo o nível dos reservatórios, maior é a concentração de poluentes, recomendando maiores cuidados com seus múltiplos usos". Entre os elementos citados que contaminam os mananciais há compostos inorgânicos - metais e outros agentes tóxicos -, orgânicos altamente reativos com os sistemas biológicos - hidrocarbonetos aromáticos, biocidas e fármacos -, microbiológicos, como bactérias, fungos e protozoários patogênicos, e vírus.
"Muitos dos poluentes que contaminam os rios apresentam potencialidade de alterar o material genético dos organismos expostos, até mesmo do homem, e, consequentemente, desencadear problemas de saúde, como desenvolvimento de doenças crônicas (tais como alterações nas funções da tireoide, do fígado e dos rins), agudas (como intoxicações, alergias e diarreias), degenerativas (como Parkinson, Alzheimer etc.) e o câncer", relataram as pesquisadoras.
Para os promotores do Gaema, a mortandade de mais de vinte toneladas de peixe no Rio Piracicaba, em fevereiro, provocada pela baixa vazão do manancial, foi "apenas um dos primeiros indicadores visuais da gravidade da situação, que, se persistir, poderá acarretar em impactos gravíssimos, muitas vezes irreversíveis". Nesta quarta-feira, diante da situação, o MP negou à ANA e ao DAEE pedido de prorrogação de trinta dias para que eles respondessem quais critérios serão adotados para a retirada da água do volume morto.
A Sabesp informou que apenas se pronunciará sobre os questionamentos após ser notificada pelo MP. No entanto, a empresa afirmou que tem todas as autorizações ambientais para a execução da obra de captação do volume morto e que, de 1995 a 2013, investiu 9,3 bilhões de reais para elevar a integração do sistema de abastecimento e o volume de água disponível para a Grande São Paulo.
Telas flexíveis de LED impressas em grandes formatos
É a primeira vez que a técnica de Impressão em grande formato com LED funciona em atmosfera ambiente para impressões em larga escala e de grandes formatos. [Imagem: Juha Sarkkinen]
 
Consulte os especialistas e cuide de sua saúde !!  :   http://suaobra.com.br/filtros-de-agua